Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

E porque não eu?

terapia de reflexão para mentes livres e com paciência, SA ou Lda não interessa, pelo menos pensar não paga impostos

E porque não eu?

presidenciais 21

por António Simões, em 09.01.21

Os agentes políticos da actualidade tem conseguido a proeza de alcançar uma coerência ao nível do interesse que despertam nos eleitores. Até aqui chega a boa notícia e o que se segue, para além de mau, não augura nada de bom para o futuro, sendo o presente uma boa mostra do que nos espera daqui para a frente. Se as taxas de abstenção mostram de forma matemática o que pensam os eleitores da política actual, os políticos de hoje são belos exemplares da decadência de uma sociedade que em pleno século XXI se julga informada, mas que nunca esteve tão à deriva num mar de desinformação. Tudo isto é a amálgama perfeita para colocar na cadeira do poder figuras como as que hoje temos nos EUA e no Brasil, e que servem de inspiração para qualquer louco que munido pelos amigos certos e os financiamentos adequados se julgue capaz de seguir em frente, seguindo o caminho por esses outros loucos trilhado. O vírus do populismo e do discurso do ódio que julgava enterrado encontra-se mais vivo que nunca, e nesta sociedade que passa mais tempo a exercer a fisioterapia do polegar no visor de um telemóvel encontra o hospedeiro perfeito, um corpo moribundo onde o sistema imunitário já pouco reage e para o qual não parece existir vacina eficaz. Essa vacina não aparece porque aqueles que poderiam desenvolve-la estão a ficar sem tempo, talvez sem paciência, e muito provavelmente deprimidos depois de anos de luta onde julgavam ter vergado esse vírus, ocupando o seu tempo elaborando terapêuticas orientadas para levar a humanidade para a frente, no caminho da tolerância pelo próximo, pela integração de uma sociedade cada vez mais complexa, evitando caminhos sinuosos que no passado nos conduziram a tempos duros. Estas eleições presidenciais tugas são um bom exemplo disto que por aqui vou devaneando. Tendo acompanhado alguns dos debates, o de ontem entre Ana Gomes e André Ventura foi o que me levou a escrever este texto. Para além da diferença óbvia das idades onde de um lado poderia estar uma mãe e do outro um filho, para além da evidência curricular de cada um onde de um lado estão décadas de luta e trabalho e do outro pouco de mais de uma dúzia de anos a fazer pela vida, o que vi foi uma tristeza estampada no rosto de Ana Gomes, apesar do seu constante sorriso que mais não era do que um disfarce de alguém que estava a cerrar os dentes perante um oponente mal educado, inflamado, intolerante e ganancioso. Essa tristeza revela algo em que penso frequentemente. Quem como ela, e mais velha que ela, viveu no tempo da ditadura e lutou para termos direito à liberdade, como aquela que neste espaço posso exercer, deve ser tristemente angustiante ver espelhado na figura de pessoas como a que ontem tinha à sua frente num debate político aquilo a que chegamos. Deve ser revoltante reconhecer que, apesar de todo o trabalho efectuado, o ódio e o populismo que não vê meios para atingir fins está mais vivo que nunca, e mesmo ao virar da esquina para chegar ao poder. Triste, mas actual.

novo Presidente

por António Simões, em 24.01.16

Temos um novo Presidente da República. O novo inquilino de Belém parte na missão presidencial com a tarefa facilitada, depois de nos últimos 10 anos Aníbal Cavaco Silva ter colocado a fasquia rente ao chão. Marcelo Rebelo de Sousa ganhou as eleições, num escrutínio bastante disputado, tendo a abstenção perdido por menos de 2 pontos percentuais. Ao novo Presidente reconheço a sua inteligência, o seu gosto pelo ensino, e uma capacidade de trabalho fora do normal. Contudo, e porque estamos a falar de um alto cargo político, estas eleições confirmam a capacidade do eleitorado tuga em sair sempre derrotado na batalha naval, pois os tiros dão sempre na água. A escolha de uma personalidade com um vasto currículo político de derrotas, que nos últimos anos teve tempo de antena em horário nobre para distribuir filetes acerca da actualidade, revela que de facto cada um tem aquilo que merece. Portugal merece de facto um Presidente destes, a pessoa que encarna de corpo e alma a personagem caracterizada por Ricardo Araújo Pereira, e que ficou famosa por apontar o dedo aqueles que "Falam falam, e não fazem nada"...

as Presidênciais

por António Simões, em 05.01.16

Dedicar o primeiro post de 2016 às vindouras eleições presidenciais, é algo que não estava nos meus horizontes devido ao facto de considerar a figura do presidente da república como um mero objecto de decoração, um daqueles bibelôs que muitas vezes se oferecem e que acabam no fundo de uma caixa, arrumada numa cave ou garagem qualquer. Contudo face ao número de debates que os diversos meios de comunicação social tem presenteado os telespectadores, acho que devo pronunciar-me sobre os moldes nos quais os candidatos ao tacho de Belém se tem debatido. É verdadeiramente penoso, mais para quem vê do que para quem participa, esta forma que se optou para dar voz a todos os candidatos. Os confrontos que diariamente ocorrem mais se parecem com um campeonato, pois os desafios são a dois, com mais que um jogo por jornada, em disputas insonsas e desenxabidas, movidas apenas por intrigas pessoais e ideologicamente desprovidas de sentido, quando todos eles se apresentam para o cargo de presidente de todos os tugas. As televisões que ponham os olhos na radio, optando pela velha máxima de todo ao molho e fé que no dia das eleições a abstenção não ocupe o gabinete com vistas para o Tejo...

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Posts mais comentados

Tags

mais tags