Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

E porque não eu?

terapia de reflexão para mentes livres e com paciência, SA ou Lda não interessa, pelo menos pensar não paga impostos

E porque não eu?

é Cruel

por António Simões, em 02.03.16

O tempo para por aqui escrever não tem sido muito, ou para ser mais franco - nenhum. Mas face aos resultados da terça feira eleitoral nos EUA, não poderia deixar de efectuar um pequeno comentário. Estas ainda são as eleições primárias, mas pelo andar da carruagem, aquilo que até agora começou como uma anedota, passou a fase de ameaça, e neste momento assume o protagonismo do lado republicano. As eleições são deles, dos estado-unidenses, mas tendo em conta a mania de grandeza e o gosto por meter a foice na seara alheia, o resultado final tem que preocupar ao resto do mundo. E de facto, Donald Trampa, perdão, Trump, é neste momento uma escolha possível para eleitores. Trump estaria para o cargo presidencial nos EUA, como Manuel João Vieira está para o cargo presidencial aqui na tugalândia. Fica assim demonstrado, que no que ao bom senso diz respeito, aqui por estas bandas o pessoal dá 5-0 aos habitantes da terra que por momentos se julgou tratar da antiga Índia, dos sultões e das especiarias. O antigo vocalista dos Ena Pá 2000 estaria longe de pensar que a música "És Cruel" poderia encaixar tão bem num possível futuro candidato ao cargo de presidente dos Estados Unidos da América:

És cruel
Meteste a tua filha num bordel
Enforcaste o teu caniche a um cordel
És cruel

És tarado
Pintaste o sexo cor de rebuçado
No circo tu serias um achado
És tarado

És um porco imundo,
Quando queres vais até ao fundo
Não sei onde vais parar

És ignóbil
Não sei qual é que é o teu móbil
És um reciclado de Chernobil
És ignóbil

És vaidoso
Meteste uma pompom na tua franja
Sabes que ainda o dia é uma criança
És vaidoso

És um porco imundo
Quando queres vais até ao fundo
Não sei onde vais parar

És obtuso
Lavas a tua tromba com água do Luso
O teu nariz é como um parafuso
És tarado

És obsceno
Os teus olhos diz que ele é um veneno
Encharcas-te com vinho do Reno
És cruel

És um porco imundo
Quando queres vais até ao fundo
Não sei onde vais parar

És um porco imundo
Quando queres vais até ao fundo
Não sei onde vais parar

Não sei onde vais parar

marcelo a Ritalina

por António Simões, em 06.01.16

Lembro-me muito bem do dia em que um Rebelo resolveu dar um mergulho no rio Tejo, em plena campanha para as eleições autárquicas, na disputa pela Câmara Municipal de Lisboa. De lá para cá, mais atento ou por vezes nem tanto, tenho acompanhado o seu percurso. Será porventura ingrato reduzir essas décadas ao papel de comentador, mas o estilo e a entrega com que ele se apresentou alienaram toda e qualquer outra função que até hoje tenha desempenhado. O relógio de pulso em cima da mesa, e a pilha de livros ao seu lado, eram o cenário com que Marcelo semanalmente se dedicava ao papel de franco-atirador da opinião pública, versando sobre todos os temas de relevo desde uma crise no médio oriente, os crashes das bolsas norte-americanas, as tácticas de Jorge Jesus no Braga, ou o número de gemas necessárias para um bom pudim do Abade de Priscos. Quem agora o vê na campanha presidencial, não reconhece aquele homem de debitava opiniões ao ritmo de um piloto de fórmula 1, o homem que ainda a jornalista não tinha feito a pergunta e ele já dava a resposta, com direito a argumento para lançar a questão seguinte. Marcelo "o canditato" não é o mesmo Marcelo "o comentador". De facto, e porque infelizmente hoje em dia fala-se muito da PHDA, acho que os seus gestores de campanha devem deitar uns pós de Ritalina no café da manhã, pois caso contrário a água do Rio Tejo poderia voltar a ser apetecível...

as Presidênciais

por António Simões, em 05.01.16

Dedicar o primeiro post de 2016 às vindouras eleições presidenciais, é algo que não estava nos meus horizontes devido ao facto de considerar a figura do presidente da república como um mero objecto de decoração, um daqueles bibelôs que muitas vezes se oferecem e que acabam no fundo de uma caixa, arrumada numa cave ou garagem qualquer. Contudo face ao número de debates que os diversos meios de comunicação social tem presenteado os telespectadores, acho que devo pronunciar-me sobre os moldes nos quais os candidatos ao tacho de Belém se tem debatido. É verdadeiramente penoso, mais para quem vê do que para quem participa, esta forma que se optou para dar voz a todos os candidatos. Os confrontos que diariamente ocorrem mais se parecem com um campeonato, pois os desafios são a dois, com mais que um jogo por jornada, em disputas insonsas e desenxabidas, movidas apenas por intrigas pessoais e ideologicamente desprovidas de sentido, quando todos eles se apresentam para o cargo de presidente de todos os tugas. As televisões que ponham os olhos na radio, optando pela velha máxima de todo ao molho e fé que no dia das eleições a abstenção não ocupe o gabinete com vistas para o Tejo...

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Posts mais comentados

Tags

mais tags