Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

E porque não eu?

terapia de reflexão para mentes livres e com paciência, SA ou Lda não interessa, pelo menos pensar não paga impostos

E porque não eu?

inceneradora Eleitoral

por António Simões, em 16.09.19

Consultando um bom dicionário de tugalês, o leitor poderá confirmar que o termo urna pode assumir diferentes significados, dependendo cada um daquilo que com a mesma se faz. No fim de contas, a única coisa comum a todos é o facto de numa urna se depositar algo, sejam restos mortais, cupões de lotaria, rifas, ou boletins de voto. Em termos de sentimento as urnas eleitorais estão para o eleitor como as urnas dos cupões da lotaria para o apostador, vivendo ambos na expectante esperança que o seu boletim seja o feliz contemplado vencedor. No entanto, se a lei da probabilidade adverte o apostador para a mais que provável derrota no universo quase infinito do acerto impossível dos números vencedores, a lei dos homens deveria fazer o mesmo ao eleitor, parte essencial e única do sistema democrático. Quando digo deveria, digo porque eu próprio não acreditando já em quase nada do que é apresentado a escrutínio, continuo a religiosamente cumprir com o dever cívico de exercer o meu direito de voto. Entre propagandistas do olha para o que eu digo e não para o que eu faço, entre os oportunistas da altura certa para piscar o olho ao poleiro do poder, entre os discos riscados que teimam eu não passar do tempo dos LPs, entre os que sabendo da derrota certa não se coíbem em prometer o impossível, e entre os que governando se esquecem de uma boa parte da sua ideologia política, o termo Urna não poderia ter sido melhor escolhido para designar o local onde depositamos o boletim de voto, o local onde se incinera a democracia, e onde acabam por ficar depositados os restos mortais da esperança dos eleitores que cada vez menos acreditam no menos mau de todos os sistemas...

a Reentré

por António Simões, em 12.09.19

Uma vez que por estas bandas a actividade atingiu níveis verdadeiramente dignos uma tarde deitado numa toalha confortavelmente estendida nas cândidas e suaves areias de uma praia qualquer, devidamente abrigada de um desventurada brisa que pudesse interromper o doce e carinhoso torpor que a adrenalina de nada fazer desperta no mais comum dos mortais, venho por este meio tentar fazer uma espécie de Reentré, que honre os pergaminhos de todas as outras que por estas alturas surgem em catadupa. No entanto, ao contrário de todas as outras Reentrés, escrever estas linhas só me traz prazer e devolve a magia de ver espelhados num texto aquilo que pelas bandas do meu cérebro se diz e se pensa. De facto todas as Reentrés encerram consigo aspectos que nem sempre se podem ver pela perspectiva do copo meio cheio:

- o início de um novo ano escolar representa para os pais a retoma das rotinas do dia-a-dia, a luta diária por conseguir transmitir a melhor educação possível aos seus filhos, esses homens e mulheres do amanhã que fruto da tenra idade estão polvilhados da inocência única e irrepetível da infância que só se vive uma única vez, com tudo o que isso mesmo significa e por isso mesmo geneticamente se manifesta, mesmo com a mudança dos tempos e das mentalidades.

- o regresso dos partidos políticos ao activo, ainda mais agravado pelo simples facto de se encontrarem ao virar da equina novas eleições para a capoeira do poder, ocupa toda a temática subjacente aos serviços noticiosos. Os anos passam, e o sentido de votar mantêm-se, apenas moldado pela vontade cada vez maior de não gastar a caneta no momento de preencher o boletim.

- o fim das férias judiciais, interregno que só muito recentemente percebi pela vantagem que o mesmo acarreta em termos de oleamento da engrenagem da máquina da justiça. Os grandes julgamentos voltam a ocupar os jornais, mas ninguém espera que com paragem ou sem ela o destino final seja muito diferente daquilo que o ditado popular diz "a culpa morre solteira".

Assim, entre o stress de pais e angústia de crianças, entre o frenesim da imprensa e a hiperactividade dos partidos políticos, e com o regresso dos julgamentos sem fim à vista, só me resta concluir... que bem se estava no Algarve...

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Posts mais comentados

Tags

mais tags