Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

E porque não eu?

terapia de reflexão para mentes livres e com paciência, SA ou Lda não interessa, pelo menos pensar não paga impostos

E porque não eu?

porto bi-Campeão

por António Simões, em 30.04.12

Talvez fruto da frequência do facto, o mesmo parece já não ser considerado como notícia. O Futebol Clube do Porto foi ontem confirmado como Campeão Nacional, não tendo merecido por parte de nenhum dos canais em sinal aberto qualquer tipo de atenção. A vitória foi confirmada poucos minutos depois das 9 horas, altura em que ainda decorriam os serviços noticiosos da SIC e TVI, enquanto que a RTP passava a gravação de um programa de humor semanal. A não ser que os relógios desses canais não sigam o GMT, nenhuma outra explicação é plausível para justificar a falta de directos, que muito possivelmente se a cor do vencedor fosse outra não faltariam. Já devia de estar habituado, mas na hora, custa sempre. Presumo que a muitos outros custe levar com mais um S. João antecipado, quando os festejos de S. António são tão escassos... Bibó Porto Carago.

publicidade à Emigração

por António Simões, em 27.04.12

Iniciou-se hà um ano atrás a adaptação de vários filmes clássicos à realidade tuga, pela mão de PPCoelho e Cª. Nessa altura, conseguiu-se conjugar dois filmes tão distintos como "Há lodo no cais" e "Crocodilo Dundee". Nesta nova versão, Sócrates encontra-se no cais (ou caos?) lodoso que é a tugalândia, e a oposição ao governo empurra-o pelas costas, onde cai no pântano repleto dos crocodilos do FMI, onde aparece a coligação PPCoelho para salvar a tugalândia, desempenhando assim o papel de caçador de crocodilos, antes representado por Paul Hogan. No entanto, indo para além da troika, PPCoelho transforma-se em algo mais cortante que a guilhotina do tempo da revolução francesa, e esse papel fica patente nesta versão alternativa de "Dr Jekyll and Mr Hyde", que diariamente temos vivido. Prova disso, são as recentes declarações de Vítor Gaspar, que por cá pia fino, e quando vai lá para fora até diz que estando de joelhos, podemos muito bem ainda rastejar. Perante isto, novos filmes não me surpreenderiam, pensava eu... Há dias, um spot publicitário patrocinado pelo governo alertava para cuidados a ter com a emigração, e indicava as autoridades a que se devem recorrer antes de dar esse passo. Acho que se isto não é bater no fundo, não deve faltar muito.

leis e Deveres

por António Simões, em 26.04.12

As medidas que na tugalândia se têm tomado, para reduzir o consumo de tabaco, e com isso contribuir para melhorias de saúde de fumadores activos e passivos, são um tanto ou quanto evasivas. Parece que se deliberam alterações que à primeira vista são duras, mas depois lá vem as famosas excepções, e no final fica tudo como está. A principal novidade deste novo pacote é a proibição de se fumar em carros nos quais sejam transportadas crianças. É nobre, da parte do legislador, a preocupação de proteger aqueles que mais protegidos devem estar. Contudo, tenho receio que sendo necessário legislar uma proibição deste género, qualquer dia se tenha que chegar por estas mesmas vias para obrigar progenitores a abrigar, alimentar e educar. Existem deveres, que não deveriam ser legislados, caso contrário, pergunto-me onde estará a parte sapiens da nossa classificação taxonómica.

carta ao Provedor

por António Simões, em 25.04.12

Uma vez que já passou quase 1 mês, e ainda não foi dada qualquer resposta ou justificação, antes que a censura volte (se já não voltou), partilho com o leitor, a minha carta ao Provedor do Espectador da RTP:

 

A temática sobre a qual me irei pronunciar já terá sido, em parte, alvo de abordagem por parte do programa “Voz do Cidadão”, mas face à insistência do mesmo tipo de erro, considerei oportuna esta interpelação crítica ao facto de se continuar a confundir as prioridades. Sou da povoação raiana de Monção e contacto frequentemente com os espaços televisivos noticiosos Espanhóis, os quais em circunstância alguma se referem a Portugal, salvo raríssimas excepções. Sendo um espectador assíduo do telejornal da RTP1, é com algum esgar de impaciência que assisto a notícias sobre o Real Madrid. Ainda se compreenderia, se tal clube fosse um bastião dos emigrantes do futebol português mas, e ao contrário de outras décadas, os futebolistas lusos encontram-se espalhados pela diáspora não se percebendo o porquê de tal distinção desse clube sobre todos os outros, a não ser que se sofra de uma espécie de crise existencial sebastianista, encarnada agora na pessoa de Cristiano Ronaldo. O mote para me colocar a escrever para o Sr. Provedor, para além da esperança de ser pelo menos lido, foi dado no passado telejornal de 01.04.2012. Nesse dia foi disputada a final da Taça de Portugal de Andebol e Voleibol, eventos que não mereceram a devida atenção por parte do telejornal, provavelmente porque disputaram o seu tempo de antena com a notícia do jogo entre o Real Madrid e Osasuna do dia anterior, sendo os mesmos noticiados no desditoso rodapé, para onde parece que se envia tudo o que não interessa. Acrescente-se que Feirense, Beira-Mar, Nacional, Rio Ave, Gil Vicente e Setúbal tinham jogado às 16 horas, e Porto, Olhanense, Benfica e Braga tinham jogado no dia anterior, tendo sido apenas noticiado o jogo entre encarnados e arsenalistas. Esta diferença de critérios é no mínimo vexatória do bom senso. Na televisão de hoje, somos presenteados com grelhas de escasso interesse, onde pelo menos a informação deveria de ser o mais isenta e rigorosa possível. No meu caso, os minutos que dispenso para a televisão resumem-se ao Telejornal, agora que o “Conta-me como foi” já terminou (isso sim, do melhor que alguma vez foi feito em Portugal). Se nesse espaço não há espaço para todo o desporto, pelo menos que o tempo disponível se esgote com o que é nosso, e por cá se pratica, independentemente de cores e modalidades. Obrigado.

a Toupeira

por António Simões, em 24.04.12

Quando leio um livro de John le Carré sinto-me como um náufrago que continuamente vem das profundezas até à tona, conseguindo nesse instante mais um fôlego para continuar a leitura. É nesse respirar que se encontra a magia da sua escrita. O clima de intriga e suspeita passa, em grande parte, por manter por momentos o leitor nesse turpor e lançar boias de salvação que fazem compreeder tudo, levantando uma ponta do que se segue, para assim despertar a curiosidade, e a vontade de seguir em frente se superiorizar ao fechar do livro. Nesta obra, mais do que nunca senti-me como esse náufrago. Talvez porque esperava uma corrente mais veloz, tendo encontrado um enredo mais do genero pântano, onde a quantidade de personagens e acontecimentos me deixou perdido numa história, que por vezes se torna demasiado confusa, o ritmo de leitura foi pautado pela vontade de querer compreender a história. Prometeu muito no início, no entanto, no final, fiquei com a sensação que tanto esforço não mereceu a pena.

governo Frankenstein

por António Simões, em 23.04.12

Depois de terem entrado a matar, o FMI é agora a nossa esperança. A última avaliação do fundo alertou o governo que em caso de derrapagem das contas, não deverá optar por mais austeridade. Os técnicos de contas do FMI chegam assim à bela conclusão que de professores do corte e costura, ensinaram de tal forma o aluno PPCoelho, que o mesmo suplantou em larga medida os seus tutores, e agora é ele o mestre da tesoura que torna o cinto dos tugas cada vez mais apertado. Resumindo, os criadores temem agora a sua criação, e caso fosse verde, PPCoelho poderia mesmo ser a reencarnação do terrorífico Frankenstein.

lixo de Gente

por António Simões, em 20.04.12

Este blog passará a incluir uma nova categoria de tag, que doravante se passará a designar por homo o quê?, procurando promover análises sucintas acerca da espécie humana, nas suas variadas vertentes. Esta ideia surgiu há uns dias atrás, quando numa das minhas tarefas domésticas fui despejar o lixo aos contentores que tenho ao pé de casa. Acontece que sendo os depósitos subterrâneos, a tampa dos mesmos tem umas dimensões reduzidas, suficientes para as necessitas diárias. No entanto, um energúmeno qualquer, tendo levado um gigantesco saco para o local, e chegando à conclusão que não cabia pela tampa, deixou as suas "sobras" em plena via pública. Uns simpáticos cães, que deambulavam pela zona, seguindo o instinto da sobrevivência, não perderam a oportunidade de verificar se existiriam víveres para saborear. O resultado claro está, foi uma tremenda bagunça na zona. Tendo em conta que a apenas alguns metros do local existia um contentor para volumes maiores, facilmente se chega à conclusão que o entre o tipo que abandonou o saco, e os cãezinhos esfomeados, está visto quem verdadeiramente é o "animal".

que Ídolos?

por António Simões, em 19.04.12

A XXII (aproximadamente) edição do programa ídolos, despertou-me de um torpor típico de domingo à noite, e colocou-me a divagar sobre três factos. 1º a exemplo do que se passa com os imigrantes brasileiros, a anterior juri do programa, a brasileirinha simpática de voz melíflua, fez como os seus conterrâneos, e tendo visto que a tugalãndia já deu o que tinha a dar, regressou para as terras de vera cruz. 2º, como é possível milhares de concorrentes depois ainda haver esperança de se encontrar um ídolo para Portugal, e já agora, pergunto-me onde andarão os anteriores. 3º alguns concorrentes, para aparecerem na televisão fariam melhor figura se fugissem de uma operação stop da polícia, e se lançassem numa fuga televisionada, como fazem nos estates. Posto isto, para os concorrentes, as novidades deste programa são: se quiserem piedade e um olhar de ajuda, viram-se para o tony; se não quiserem ficar influenciados pela expressão facial do júri, olham para o Pedro; se quiserem ver um valente par de seios, olham para o peito da Bárbara. De resto, o papel de morcão, cabe ao urso do costume.

vitinho e Vitor

por António Simões, em 18.04.12

Como foi anunciado num post anterior, a investigação promovida pelo ministro das finanças foi conduzida rapidamente em todos os centros universitários. No entanto, as conclusões rapidamente se atingiram e se deliberou que a aspirina possui arsenal terapêutico para diversas áreas de intervenção, não estando contemplada a possibilidade do seu uso como tónico para a revitalização da economia tuga. Acontece que durante as reuniões, ao ouvir os discursos de Vítor Gaspar, o director artístico da Escola de Música do Conservatório Nacional bateu com a testa no tampo da mesa e caiu da cadeira, ficando estatelado no chão sem sentidos. Dando entrada nas urgências do hospital mais próximo, onde se livrou da taxa moderadora por cunha ministerial, teve que ser internado para observações, derivado do traumatismo crânio encefálico que sofreu. Livre de perigo, e durante a convalescença, o director ao recordar-se dos momentos prévios ao acidente, resolveu marcar uma audiência com o ministro. Desse encontro resultou um contrato no qual o ministro se comprometia a gravar um CD musical, destinado aos mais novos, com temas para serem ouvidos à hora de dormir. Depois dos anos em que o Vitinho nos mandava para a cama, chega agora o Vítor para embalar a petizada, ambos em CD duplo, brevemente nos escaparates.

portela e Montijo

por António Simões, em 17.04.12

PPCoelho disse que "não quer novo aeroporto durante, pelo menos, a próxima década", e "a base aérea militar de Montijo, pode servir como pista de apoio para a Portela". A equipa de criptoanalistas deste blog, recorrendo aos mais criteriosos métodos de interpretação política, vem a público partilhar o verdadeiro sentido das palavras proferidas pelo nosso primeiro-ministro. Assim, em relação à primeira premissa, PPCoelho quer na realidade dizer que estão a deitar este país tão abaixo, que não prevê que até 2020 a situação melhore. Assim, não é necessário novo aeroporto, porque para cá ninguém quer vir, e os de cá, vontade de ir não falta, faltando sim o graveto necessário para emigrar e pagar as passagens de avião. Já em relação à segunda premissa, PPCoelho ao referir-se ao apoio da base militar deixa a mensagem sub-reptícia que as tropas estão controladas e do lado do governo. Assim caro leitor, caso se encontre imbuído deste espírito de Abril, o nosso ministro já adiantou que desta vez os capitães não nos safam da tirania.

taça da liga dos Últimos

por António Simões, em 16.04.12

O nosso pequeno campeonato de 16 equipas, sentiu a necessidade de criar uma competição, para colmatar as falhas de calendário. Acontece que na realidade, o mesmo campeonato pára, para se poder desenrolar essa competição, tal como foi exemplo o fim de semana que passou. Por vezes, entre paragens para a taça da liga, taça de Portugal e jogos da selecção tuga, o campeonato até que parece esquecido. O interesse que a taça da liga tem no meio futebolístico é tal, que os clubes jogam com os jogadores suplentes, os estádios apresentam assistências que não chegam para pagar a conta da electricidade e, o mais fantástico, o vencedor da competição é vaiado, tal como aconteceu no passado sábado. Seria hora de voltar a pensar num campeonato de 18 equipas, de forma a manter-se uma certa regularidade, e deixar-se estas taças de brincadeira, para os torneios de pré-época. Já agora, parabéns ao vencedor.

o príncipe da Neblina

por António Simões, em 13.04.12

Quando comecei a ler este livro, senti novamente o cérebro a funcionar, depois de ter sido desmembrado durante a leitura de "Os homens que odeiam as mulheres" de Stieg Larsson (ver respectivo post). O "Príncipe da Neblina" faz parte das primeiras incursões literárias e veio cimentar a minha predilecção pelas obras de Carlos Ruiz Zafon. Ao começar a ler, foi quase impossível parar, e assim, em duas partes, uma durante a tarde, e outra noite dentro, terminei num ápice esta aventura, que ao melhor estilo de Edgar Allan Poe ainda me levou a permanecer acordado durante mais algum tempo, sem saber que horas eram, mas com a imagem clara da história a palpitar na retina. Arrebatador, e acima de tudo, escrito da forma mais simples e suave que conheço dentro dos escritores contemporâneos que tive o prazer de contactar, a escrita prende por si só o leitor à história, e é condimentada por um excelente enredo. Depois de ler "A Sombra do vento", "O Jogo do Anjo", "Marina", e agora este, é muito difícil escolher qual deles o melhor, pois cada um, à sua maneira ocupa o seu lugar no topo. Partilho uma parte do prólogo deste livro, num momento em que Carlos Ruiz Zafon descreve o que é ler: "Mas não veio a estas páginas para ouvir discursos, mas para que lhe façam cócegas no cérebro. Permitam-me, então, que o convide a viver as aventuras destas personagens que ainda me são tão familiares como no dia em que as conheci. A entrada não tem limite de idade, nem lugar marcado. Será bem-vindo a estas páginas quer seja um leitor veterano como eu ou um leitor jovem que mergulha na maior das aventuras, a de ler. Dentro de momentos apagar-se-ão as luzes, erguer-se-á a cortina da sua mente e o feixe do projector baterá na sua imaginação."

alvo Errado

por António Simões, em 12.04.12

Na passada greve, na qual os números não confirmaram o seu carácter geral, a principal notícia foi a violência (entenda-se por "porrada no lombo") que alguns jornalistas (entenda-se "tipos no local errado") foram alvo por parte das forças de segurança (entenda-se "bófia"). As manifestações de indignação por esse acontecimento, não querendo caracteriza-las de erradas, deveriam de alinhar o discurso no sentido correcto. Ou seja, o que esteve errado, não foi a cacetada a que os polícias recorreram para colocar na ordem aqueles indivíduos, mas sim o facto de se terem enganado nos jornalistas a desancar. Quantas vezes, em directos ou em reportagens, já não terá ocorrido a qualquer um a vontade de arrear a um tipo que tem na sua mão o quarto poder, e que o usa da forma mais estapafúrdia possível? Seja por motivos de falta de isenção, incompetência, ou mesmo burrice da grossa. Destes exemplos está o mundo jornalístico cheio. Num directo de há uns dias atrás, tendo a sua casa ameaçada pelas chamas, um sujeito é questionado pelo repórter "Como se sente?". Que resposta este borrego estaria à espera? "Olhe, com um pouco de calor, mas isto já passa". E fico por aqui, porque se continuo teria de tecer opiniões menos respeitosas de um tal Nuno, de apelido que não posso dizer, mas que está directamente relacionado com a EDP.

filmes Épicos

por António Simões, em 11.04.12

Estando em época de Pascoa, é praticamente obrigatório a presença de filmes épicos na televisão. Esta época ganha por larga maioria a outras alturas, como por exemplo o Natal, na passagem de filmes do calibre de "Os 10 Mandamentos", "Spartacus", "Quo Vadis", e as 2001 versões cinematográficas sobre a vida de Jesus de Nazaré. Todas estas películas referidas variam de tema e personagem principal, mas partilham uma particularidade que as une: em qualquer uma delas, o pessoal figurante é tanto, que poderia encher vários campos de futebol. Com o avanço da tecnologia, foi possível aos realizadores dispensar esse povo, e em seu lugar recorrer ao melhores efeitos especiais que preenchem virtualmente o lugar dantes ocupado por pessoas de verdade. Hoje em dia, está na moda a onda revivalista, onde se recuperam coisas do passado, desde máquinas fotográficas, óculos de sol, roupa, etc. Nestes tempos de crise, a indústria cinematográfica poderia deixar-se levar nessa onda, deixar os efeitos especiais de lado, e realizar novas e actuais versões desses filmes épicos, com pessoas de verdade. Desse modo, pelo menos sempre se poderia dar emprego ou ocupação, a uns quantos milhares de desempregados que infelizmente fazem parte das negras estatísticas que os números mostram. 

perdido na Tradução

por António Simões, em 10.04.12

José Mourinho em entrevista ao jornal italiano Corriere Della Sera deixou um desejo secreto a descoberto. O especial um quer ser o primeiro treinador a ganhar algo pela selecção nacional de futebol tuga, daqui por alguns anos, não tendo especificado qual o período em que se manterá longe do comando técnico da equipa das quinas. Tendo em conta que pelo meio haverá umas quantas competições internacionais, nas quais a selecção gostaria de fazer algo mais do que fez na final do Euro 2004, este desejo de Mourinho literalmente choca com a vontade de vencer do resto dos habitantes da tugalândia. Se quer ser o primeiro, até chegar a sê-lo, todos os outros por sua vontade terão que ficar a ver navios. Assim, parece que pelo menos para o próximo europeu, José Mourinho já vaticinou sub-repticiamente o destino de Paulo Bento, que virá das terras polacas, da mesma cor que as mesmas se encontram durante o inverno. O que mais me espanta é o facto desta entrevista não ser acompanhada pelo corropio de críticas, que outro que não ele na mesma situação com toda a certeza seria alvo. No final, resta-me acreditar que se tratou de uma tradução da entrevista mal feita.

que lata de Lapso

por António Simões, em 09.04.12

Até ao momento, este governo tem sabido de forma muito inteligente usar o estado de graça que habitualmente é concedido aos novos executivos, e aliado ao facto da inevitabilidade das medidas de austeridade impostas pela equipa do FMI tem vindo a desancar despudoradamente no bolso dos tugas. Também tem sido mostra de inteligência de raposa matreira, a maneira como tem ido ao bolso mais frequentemente dos funcionários públicos, como se fossem estes os responsáveis do estado calamitoso a que este país foi conduzido. A tudo se tem assistido da forma mais parcimoniosa possível. Agora, e não sendo eu um funcionário público, como é possível a função pública não se passar completamente dos carretos depois do anuncio do ministro das finanças de que teria cometido um lapso, ao se esquecer de anunciar que em vez de 5 são afinal 9 os meses de vencimento que vai meter ao bolso, não prometendo que no final os subsídios de férias e natal sejam repostos? Um lapso ?! Realmente, ou é um fulano com muita lata, ou então ele próprio já anda a dormir com a cadência dos seus próprios discursos.

tunel do Marquês

por António Simões, em 06.04.12

Milhares de milhões de metros cúbicos de terra e demais entulho, desvios orçamentais, e três presidentes da câmara depois, o túnel do Marquês, plantado em pleno centro da capital do império, vai finalmente ser colocado à total disposição dos automobilistas lisbonenses. No entanto, um grupo de cidadãos que se auto-intitulam "Por um Portugal sem buracos", encontra-se em processo de recolha de assinaturas para uma petição pública para o fecho desta obra, que ainda não abriu. Este pessoal, empedernidos defensores da ordem pública, considera que a tugalândia de buracos está cheia, e o local donde parte a maior parte deles não precisa de mais um. Um representante do movimento adiantou a este blog que é hora de fazer-se tudo às claras, e a condução não poderá ser excepção (até porque de excepções também o país é farto e abundante) e a mesma deve ser efectuada há superfície. Para além disso, consideram que com o preço por litro da gasolina a ombrear com o preço dos melhores tintos reversa alentejanos, o trânsito diminuirá, não havendo necessidade fazer dos carros toupeiras, quando cá em cima o espaço não vai faltar.

os homens que odeiam as Mulheres

por António Simões, em 05.04.12

O que principalmente me chamou à atenção para a leitura deste livro, não foi o facto do mesmo ter sido prontamente adaptado ao cinema, mas sim o estranho desaparecimento do seu autor Stieg Larsson, que segundo a sinopse do livro "morreu depois de entregar à editora sueca os três volumes da trilogia Millenium". A história, que prende o leitor ao longo das páginas do livro, perde um pouco pelo facto de no final se prolongar demasiado, tendo feito demasiados aditamentos de fins anexos, que tiram algo da expectacularidade do enredo principal. Acho também particularmente interessante o facto de um estilo de escrita telegráfica, ter-se transformado num fenómeno de vendas. Durante todo o livro, parecia estar a ler um telegrama, com excepção feita para as partes dos diálogos, tendo por vezes a sensação de estar a desenvolver uma espécie de tonturas, provocadas pelos fragmentos de pedaços em que a história era relatada. Acredito que os outros dois livros revelem um enredo alucinante como este, mas com o medo de ficar disléxico, acho que vou ficar por aqui.

droga de Programa

por António Simões, em 04.04.12

Num záping de sábado à tarde, as cores garridas que preenchiam o ecrã da televisão fizeram com que me detivesse por instantes num canal que já foi da igreja. A apresentadora estava vestida na melhor imitação possível da Cruella de Vil, e o seu companheiro era o inconfundível Goucha, que no caso, só depois de apurada investigação é que confirmei tratar-se da sua pessoa, depois de imaginar quem estaria por baixo de uma peruca de cabelos compridos até ao fundo das costas, vestido de fato, munido de um par de óculos ao melhor estilo John Lennon. No palco estava a antiga cantora Romana, e ao verificar o resto dos concorrentes, por momentos pensei que seria uma convenção de cantores pimba falhados. A artista tinha acabado de efectuar a sua imitação de uma conhecida música da finada Janes Joplin. Quando pensava que seria impossível descer a níveis mais baixos, António Sala, outro belo espécimen, dispara fulminantemente a seguinte frase "a romana cantou melhor que a Janes Joplin". Por momentos, e perante este cenário que descrevo, pensei que quem estaria drogado de LCD seria eu. No entanto, como apenas tinha lanchado uma torradinha e um chá dos Açores, a menos que algo estivesse estragado, penso que estava em perfeitas condições de ajuizar a barbaridade que era transmitida pelo canal de maior audiência nacional. Desse modo, só posso concluir que a única diferença entre as mentes que idealizaram este programa, as figuras públicas que o preenchem, e a malograda artista americana, é o facto que todos consomem o mesmo, só que a última consumiu demais.

iOgurte

por António Simões, em 03.04.12

Desde já perdoe-me o leitor pela iliteracia tecnológica, mas realmente passa-me ao lado o fenómeno em volta do iPad. Sei o que é, e imagino para que serve, nunca tendo contactado directamente com um. No entanto, acho que consigo sobreviver passando ao largo desta epidemia que contagia pessoas pelo mundo inteiro. Sempre que se lança um novo brinquedo desta categoria, e já lá vão 4 lançamentos, montam-se tendas, fazem-se piqueniques, sendo que alguns chegam mesmo a dormir ao relento, às portas das lojas da marca, de forma a serem os primeiros a adquirir o último grito da marca da maça, do finado cérebro Esteves dos Trabalhos. Não discuto gostos, e respeito o sofrimento por que estes fãs passam para se manterem na crista da onda tecnológica. Contudo, parece-me algo exagerada a frequência do lançamento de novos aparelhos. De facto, para além de existir pessoal que ainda se encontra a pagar as prestações da versão anterior, o prazo de validade de cada uma tem que necessariamente ser mais alargado. Cheguei a esta conclusão um dia destes, quando verificava a validade de um iogurte antes de o degustar. Estes pequenos pedaços de prazer, chegam a ter uma duração no frigorífico superior ao tempo que um iPad tem de novidade. Para a marca da Maça dentada, o melhor é mudar de política, porque por este andar os seus clientes qualquer dia não terão capacidade financeira para adquirir novos brinquedos, podendo mesmo ter que se contentar com os iOgurtes.

Blogs Portugal

Pág. 1/2

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Posts mais comentados